Páginas

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Ponto .

Quero libertar-me da estranheza do teu ser,
Das amarras que me afundam a razão
E deslizo profundamente sem retorno
Ao sabor dos teus beijos adormecidos.

Vejo candura e cerram-me as palavras
No silêncio, habitam histórias de encantar
Oiço na tua imagem a emoção
Um olhar de soslaio que me enriquece!

Não vale a pena mais fraqueza, ilusão
Parto ao sabor da tormenta e sigo
Taciturna, o poente do amor
Tacteando a verdade nua e crua .

4 comentários:

Ana disse...

Observar a verdade nua e crua por vezes é difícil, mas é preferível do que viver na ilusão. Eu sei que falar é fácil e ninguém manda no coração.
Este “Pronto” retratou desta forma poética a coragem para encarar a realidade. Adorei querida Carol!
Quero ler tudo com calma e ultimamente tenho andado absorvida com os “pimpolhos” por isso deixei o teu espaço para visitar quando estivesse sozinha e hoje estou.:-)
Um xi apertadinho,
Paula

carolina disse...

Obrigada Ana
Um beijinho para cada um dos pimpolhos e para quem gostas.

Cristina disse...

Carolina sou nova nisto, ainda ando a apalpar as teclas nos blogs.
Mas o teu poema está no ponto como sempre!

Beijocas

Quero-te cá no dia 7 de Novembro!

António MR Martins disse...

Lindíssimo...
Palavras envolvidas de uma doçura profunda.
Escreve-se o amor...
Beijinho

António MR Martins