Páginas

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Dois pesos e duas medidas

Colocando os pratos na balança e medindo a intensidade da paixão é raro sentir que o fiel se encontra em equilibro.

É certo que a paixão não pode ser medida ou pesada, logo é impossível saber quem ama mais e quem ama menos.

Normalmente essa questão é posta em causa, prevendo-se até que o mel venha a esbordar para um lado, em detrimento do outro.

Permitam-me dizer ainda, que nestas coisas, as palavras têm muito a ver com a paixão, elas fingem poesias mais ou menos elaboradas, pondo em causa um certo misticismo nem sempre apreciado pelos intervenientes.

Se falarmos em saudade, então entramos num beco sem saída, porque há coisas que nunca mais voltam a ser como dantes, o tempo manda borda fora essas mesquinhices, mais cedo ou mais tarde.

Assim, penso que os pesos e as medidas são diferentes, quando se "mede" em actos e acções a intensidade da paixão, no homem e na mulher.


Carolina

Um comentário:

Ana disse...

Tudo o que escreveste neste excelente texto tem muita lógica, não há hipótese de haver uma medida para a intensidade de uma paixão.
Li num dos livros de Nickolas Sparks que para que o amor cresça entre um homem e uma mulher, o homem terá que amar mais a mulher do que a mulher a ele, será? Penso que não.
Quando a paixão entre um homem e uma mulher, se transforma em amor é maravilhoso, e penso que será mais difícil terminar, porque no amor há carinho, tolerância, etc. Apesar de "tudo" ainda acredito no amor, e é maravilhoso enquanto dura. Quando acaba e fica a saudade, é porque a "tal" paixão existiu, mas como tu dizes e muito bem, nada do que passou volta mais.
Sabes Carol aqui a tua amiga é uma "sonhadora" e como o sonho comanda a vida, vai sonhando.LOL.
Quanto a haver uma medida, penso que não existe.
Bem, deixa-me sonhar, LOL.
Beijinhos minha amiga linda,
Ana Paula